O meu blog.... Baby Love
Este cantinho é dedicado a todas as mães, pais, grávidas, avós e todos aqueles que vivem no "mundo dos bébés".

O blog aborda assuntos tais como saúde, comportamento, educação, sentimentos, gravidez, curiosidades e muito muito mais....

Aceitam-se sugestões, ideias e crónicas.

baby.love@sapo.pt


quarta-feira, 9 de maio de 2007

O que é que acontece no parto?


O que é que acontece no parto?
O parto é constituído por três etapas: dilatação, expulsão e dequitadura.
Dilatação: O colo do útero, por onde o bebé passa para sair, começa a encurtar e a dilatar até cerca de dez centímetros. As contracções tornam-se cada vez mais regulares e próximas. É o período mais demorado do trabalho de parto, podendo demorar de 12 a 16 horas, por vezes mais, num primeiro filho.
Se lhe apetecer levantar e andar, pergunte à enfermeira se o pode fazer. Quando estiver deitada, procure virar-se para o lado esquerdo, para facilitar uma melhor oxigenação do feto.No início e durante a contracção, deve inspirar profundamente pelo nariz, como se estivesse a “cheirar uma flor ”, e expelir o ar pela boca, como para “apagar uma vela”. Quando a contracção terminar, inspire e expire profundamente. No intervalo das contracções, respire normalmente, relaxando o mais possível.
Expulsão: Começa quando a dilatação estiver completa. Pode demorar de 20 a 40 minutos no primeiro filho. O feto desce ao longo da bacia e acaba por sair para o exterior através da vagina e da vulva. Pode ser necessário efectuar um pequeno corte do períneo (espaço entre a vagina e o ânus), para facilitar a saída do feto e evitar “rasgaduras” perineais ou do ânus.
A sua ajuda na fase de dilatação é preciosa. Procure seguir as instruções que lhe são dadas.
Em cada contracção, inspire profundamente e, depois, não deixe sair o ar enquanto faz força. A seguir, expire. Aproveite o intervalo entre duas contracções para descontrair e recuperar as forças.
Dequitadura: Depois do nascimento do bebé, a placenta e as membranas que envolveram o feto saem por si (se não saírem, o médico tira-as). Deve permitir que lhe massajem a barriga para ajudar a placenta a desprender-se do útero.
A seguir, se tiver sido necessário cortar o períneo durante o parto, há que fazer a sutura (coser) do corte. Não vai doer porque a zona estará anestesiada.
Após o parto, deve ficar deitada de barriga para cima. Se sentir que está a perder muito sangue, chame a enfermeira.


O que é a anestesia epidural?
É uma técnica utilizada para o tratamento da dor no parto. Consiste na introdução de um cateter (tubo) na coluna lombar (espinha), através do qual são administrados os medicamentos.
Este procedimento não é doloroso para a grávida, porque antes é feita uma anestesia local da pele. No entanto, a sua colaboração é preciosa para o sucesso da técnica. Colabore com a enfermeira e a anestesista, fazendo o que elas lhe recomendarem.
Após a analgesia, as contracções do útero e o trabalho de parto continuam a evoluir. Estará desperta, mas sem dores. Vão sendo dadas doses de analgésico, de duas em duas horas, ou sempre que se julgue necessário, até o bebé nascer. Deste modo, estará pronta a colaborar e a fazer a força necessária para o nascimento do bebé, sem a dor incomodativa.


Que cuidados devo ter após o parto?
Os cuidados de higiene pós-parto são importantes para o seu bem-estar e para acelerar a cicatrização do períneo.
Cerca de seis horas após o parto, uma enfermeira irá ajudá-la a levantar. Se não sentir tonturas ou dores de cabeça fortes, pode ir à casa de banho e caminhar um pouco. Podem colocar-lhe um saco com gelo na zona da sutura (costura), nas primeiras 24 horas pós-parto, para ajudar a reduzir o edema (inchaço) da zona e facilitar a cicatrização.
É importante tomar banho diário, manter limpa a zona genital e mudar com muita frequência (de quatro em quatro horas) os pensos higiénicos. É normal, nos primeiros dias a seguir ao parto, ter perdas de sangue vaginal que, a pouco e pouco, vão diminuindo de quantidade.
Aproveite para descansar nos períodos em que o bebé dorme, deitando-se, de vez em quando, de barriga para baixo.
Antes de regressar a casa esclareça todas as suas dúvidas e informe-se sobre quando levar o bebé para efectuar o “teste do pézinho”, à primeira consulta do pediatra e como registá-lo.
É normal que se sinta ansiosa, insegura e com alterações repentinas de humor e disposição durante as primeiras semanas após o parto. Mas se esses sintomas persistirem ou se agravarem deverá falar com a equipa médica que a acompanha.

5 comentários:

Cristina Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristina Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristina Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cristina Silva disse...

Informações preciosas sem dúvida... mas algumas não estão basedadas em evidências científicas. Infelizmente, a medicina que hoje se pratica nomeadamente na de assistência ao parto não respeita as recomendações da OMS para o atendimento ao parto normal.

"A sua ajuda na fase de dilatação é preciosa. Procure seguir as instruções que lhe são dadas."
A mulher não precisa de instruções para parir, o seu corpo está preparado para o nascimento é como qualquer outro processo fisiológico. A mulher precisa é de deixar o seu corpo ir, de se colocar em posições que melhor conforto lhe dão na dilatação e no parto, coisa impossível na maioria dos hospitais.
O período expulsivo pode demorar mais de 40 minutos, infelizmente os médicos não foram feitos para esperar e deixar um processo fisiológico como o parto acontecer naturalmente e demorando o tempo que for preciso...
A rasgadura é sempre melhor à episiotomia, estudo científicos mostram isso uma vez que a rasgadura é ao nível superior da pele enquanto que a tesoura da episiotomia rasga tudo o que encontra, pele e músculo...
em relação à dequitadura, a placenta desprende-se por si por acção das contracções e da oxitocina natural libertada pela mulher, mas como os medicos não querem esperar que o processo se desenrole naturalmente toca a massajar a barriga (um processo doloroso)para que a coisa se processe mais rápido.
lendo atentamente este post e o outro do "parto de emergência em casa" conseguem ler-se contradições. Neste existe a necessidade de massajar a barriga para sair a placenta, no outro (mais de encontro às evidências científicas)a placenta sai logo depois do parto...
Este documento do ministério da saúde não é mais do que a visão tecnorática do parto. Eu gosto mais da visão humanista e baseada em evidências científicas, nas recomendações da OMS. Infelizmente a maioria das mulheres desconhece que existem recomendações da OMS a nivel do parto e encontram-se "domesticadas" pelas aulas de preparação pós-parto (com as respirações e posições de parto impostas)que não são mais do que lavagens cerebrais à intuição e à capacidade natural que as mulheres têm para parir...

Cristina Silva disse...

Este documento do ministério da saúde não é mais do que a visão tecnorática do parto. Eu gosto mais da visão humanista e baseada em evidências científicas, nas recomendações da OMS. Infelizmente a maioria das mulheres desconhece que existem recomendações da OMS a nivel do parto e encontram-se "domesticadas" pelas aulas de preparação para o parto (com as respirações e posições de parto impostas)que não são mais do que lavagens cerebrais à intuição e à capacidade natural que as mulheres têm para parir...


desculpa tanto comentário... ;)

Volte sempre

Volte sempre
E comente...