O meu blog.... Baby Love
Este cantinho é dedicado a todas as mães, pais, grávidas, avós e todos aqueles que vivem no "mundo dos bébés".

O blog aborda assuntos tais como saúde, comportamento, educação, sentimentos, gravidez, curiosidades e muito muito mais....

Aceitam-se sugestões, ideias e crónicas.

baby.love@sapo.pt


domingo, 27 de maio de 2007

Afinal os bebés choram no útero!


O fenómeno do "choro fetal" nunca tinha sido observado ou reconhecido. Mas uma experiência realizada por investigadores da Universidade de Auckland dissipou as dúvidas. A partir das 28 semanas de gestação, os bebés choram no ventre materno.

A partir das 28 semanas de gestação, os bebés choram no ventre materno quando expostos a estímulos sonoros. Esta surpreendente conclusão é de um estudo científico realizado por especialistas da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, recentemente publicado no jornal "Archives of Disease in Childhood: Fetal and Neonatal Edition".
Os bebés ainda no ventre materno foram submetidos a ruídos de baixa frequência junto do abdómen da gestante. Posteriormente, os investigadores que realizaram o estudo procederam à gravação dos efeitos secundários destes sons no útero, usando um aparelho de ultrasons.
As conclusões foram surpreendentes.
Os bebés não só respondiam com gestos bruscos, respiração ofegante, tremores, movimentos da cabeça e do queixo, mas também emitiam sons durante 15 a 20 segundos seguidos.
Na opinião de Ed Mitchell, pediatra neo-zelandês que participou nesta investigação científica, os sons assemelham-se «ao choro de uma criança» .
Esta constatação levou-o a observar que «o fenómeno sugere uma origem de choro pré-natal» , justificou à agência Reuters.
Estes novos dados vêm reforçar o que os cientistas já suspeitavam. Os bebés prematuros que nascem com 28 semanas conseguem chorar, o que não se sabia é que também o poderiam fazer no ventre materno.Para Ed Mitchell, as conclusões do estudo reforçam a ideia de que o feto, com pelo menos 28 semanas, experiencia dor e desconforto, o que implica já o desenvolvimento dos sentidos e do cérebro.
«Continuamos a fazer intervenções aos bebés sem anestesia» , alertou aquele investigador. Como tal, espera que o relatório agora divulgado possa acrescentar novas pistas aos actuais procedimentos médicos dos obstetras e neonatologistas.

Sem comentários:

Volte sempre

Volte sempre
E comente...